Seguidores

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Recriando Laura Jane

Daqueles tempos idos de cheiro de infância
Laura Jane era a heroína
dos meus tempos de criança...
Laura Jane possuía
em requintes de magia
uma areia encantada
que em pequena a transformava
"areia da da grossa,areia da fina,
areia me faça ficar pequenina"
Quanto menor Laura Jane ficava
mais nesse tempo eu crescia...

A areia passou pelo tempo
e o tempo passou por mim,
de repente percebi
o que Laura Jane queria
E como ela repito baixinho:
"Areia da grossa,areia da fina,
areia me faça ficar pequenina"

Guaraciaba Perides (canção composta em 2001)


Recriando Lara Jane: a personagem Laura Jane era uma personagem de revista em quadrinhos,muito popular na minha infância...eu admirava Laura Jane pois ela possuía um pó mágico que diminuía o seu tamanho e assim ela podia brincar com seu amiguinho ,uma criatura minúscula chamada Tiquinho.Não sei por que motivo essa personagem se fixou na minha memória...talvez pelo gosto da infância!

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Além dos véus

O que se vê além
Das janelas e cortinas
O que se vê além
das falas e dos olhos
O que se expõe
atrás das palavras
além do sentimento
que se oculta
como vivendo atrás
de nuvens e de véus
Nada se esconde
atrás, quer de biombos
ou de muros,
tudo transparece no fugaz,
seja um sorriso, uma lágrima,
um balançar de ombros,
um aceno distante
ou um raio do olhar.
O outro compreende e intui.
pois além das cortinas e dos véus
estamos todos nus.

Guaraciaba Perides (2010)

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Na casa do meu Avô

Da janela avistava-se a linha ondulada dos cafezais
E pela estrada de barro passavam os bois em carreata...
Na sala da frente minha avó ensinava letras
aos meninos da roça
No canto a moringa de água fresca sobre a toalha rendada
garantia a placidez da manhã...
No quintal, o doce perfume do jambo maduro
e as galinhas cumprindo sua função universal
Nas paredes do quintal cachos brancos de rosas miúdas
entremeavam-se às flores de São João e
que na minha meninice associava às letras
da música "Capelinha de melão"
Em tardes modorrentas o canto das cigarras
transpunha a condição do tempo que se anunciava
em badaladas claras e musicais do carrilhão,
misturando-se ao cheiro inesquecível dos biscoitos
ainda quentes, saídos do fogão ...
A cama de paina era para mim,menina,
a novidade mais gostosa,o bem mais almejado,
pois como um ninho me acolhia
e como braços ternos me abraçava...
Na parede da sala em formal retrato
uma mocinha com ares comportados,
ao lado um rapaz de olhos sérios, escondia
atrás de seus bigodes, a sua juventude...
Foram ambos o início dessa casa amiga
de tantos sonhos e tantas ilusões
perenizados numa prole imensa,
que colocou em cada um de nós,
um pouco de sua poesia,
de seu jeito de ser,seu coração...


Guaraciaba Perides - 
2001 
( memória de uma menina paulistana, em férias na década de 50, na casa de seus avós em Andradas no sul de Minas Gerais)

domingo, 26 de maio de 2013

Niilismo?

Abro o jornal
e ele Grita!
Cuidado!
Você pode morrer!
Você pode sofrer!
Você não pode deixar
Você não deve fazer
Você  não  deve dizer...
Cuidado!
Não olhe, não ouça, não fale,
Não coma, faz mal!
Não durma, faz mal!
Não beba, não fume,
Não sonhe...
Você está gordo, você está feio,
Você não tem auto-estima
Você está com medo!
O mundo está acabando...
Você deve correr..."Corra,  Lola, corra"
É o filme do Ano
(De olhos bem, abertos,
não se deixe enganar)
A Bolsa que sobe, a Bolsa despenca,
O dólar fugiu... na grande fuga dos capitais.
O boom do Mercado, adeus mundo cruel!
Eles querem roubar o seu sonho,
a sua ilha de paz, o seu canto de amor...
Aquele que você vai pagar até o final dos tempos...
O mundo está esquentando!
O mundo está derretendo!
O mundo está se desfazendo!
No inverno...nunca foi tão frio!
No verão...nunca foi tão quente!
Nunca choveu tanto!
O mundo vai virar um deserto...
"E agora, José?"
Agora, que os corruptos, os ladrões,
os farsantes, os políticos,
ameaçam a sua vida...apenas...
Fecho o jornal,
Tomo  meu café,
Abro a janela e
ouço o cantar do sabiá do dia...
Hoje é domingo,
lá vem um beija-flor
saudar a rosa que se ergue
no canteiro do pedaço de chão
ainda livre da fome do concreto.
Coloco uma canção que
faça bem aos meus ouvidos.
E pelo menos, por enquanto, neste instante,
Vai-se fazer a Paz,
a " começar em mim"!

Guaraciaba Perides (2010)

Nuvens

Nuvens

Sonho,nuvem que passa
Sonho que o vento traz
e também leva consigo
um sonho que se desfaz
Outras nuvens,outros sonhos,
muitos motes de canções
passam breve,logo a brisa
não demora,novas nuvens,
novos sonhos já serão...
Sonho fugidio,como uma nuvem que passa,
corre atrás de seu sonho
antes que no ar se desfaça.
Olhe com muito carinho
a trajetória que faz
e se ele for descuidado
faça com ele um brinquedo
e dele não tenha medo
pois o sonho é seu caminho
e da vida, o seu melhor...
Como criança deite no chão,
olhe para o céu,vê a nuvem passar...
e de repente veja um castelo
que vira bicho, que vira um velho,
que vira mar...
Sonho, nuvem que passa
sonho que o vento traz
e também leva consigo
um sonho que se desfaz...

Guaraciaba Perides (2006)

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Horas mortas.Descansa a vila.
Brilha lua cheia,como sempre brilha...
Ao longe uma toada mineira,
alguém toca ao violão;
cachorros latem em dó maior.
Jovens voltam do baile em breve alarido
que logo se perde na escuridão.
E o domingo termina em paz...
.....................................................
Madrugada, enxadas aos ombros,
passam os obreiros dos campos,
e o aroma do café ocupa o espaço
no início de um novo tempo.
Crescem os ruídos nas calçadas,
portas que se abrem e se escancaram,
janelas coloridas abertas ao sol,
que ainda pálido galga a montanha
com ar de espanto;
récem-nascido dia,com sua cara
de infância...
O inconfundível cheiro de lenha
queimando no fogão que teima em existir,
traz à vila a lembrança do passado
que perpetua na memória
um tempo quase findo.
Contrariando "Pessoa" o dia não deu em chuvoso.
O capim umidecido de sereno
brilha em gotas de cristal...
Um cavalo relincha.
Passa o leiteiro com a carroça e seus latões de leite
e a cachorrada faz a festa atiçando o cavalo...
Agora é lida! Até a brasa do meio dia
Os sons da terra e os sons da gente,
risos,cantos,choros,gritos
latidos,cigarras, pássaros,
buzinas, pregões,motores...
Os cheiros: flores,bosta de cavalo,
carne assada,café,sempre o café,
bolo e pão quente,perfumes adocicados
e a fumaça da lenha...cheiro de roça
....................................................................
Fim de tarde!
Passam os obreiros dos campos,enxadas
aos ombros;
Nuvens rosadas e douradas em fundo azul
acolhem o guerreiro da eterna vida que
já se recolhe no horizonte...
as janelas ainda abertas acolhem as primeiras estrelas
Daqui a pouco, a noite desce de azul completamente.
Cessam os ruídos da rotina humana.
A vila adormece ao som da toada mineira
que o mesmo ou outro alguém toca plangente
ao violão...
Descansa a vila.


Guaraciaba Perides (2004)

No álbum de retratos

No álbum de retratos
meus pais ainda jovens
desfilam gloriosos
pelas páginas centrais.
E eu,ainda bem criança
abro meus espantados olhos para a vida;
E ali, em sestros calculados,
coberta de colares e miçangas,
repito sem saber porquê
os gestos de Carmem Miranda...
No album de retratos
parentes antigos e amigos imemoriais
permanecem estáticos como aprisionados
em um caleidoscópio gigante
e ali se perpetuam em sorrisos calculados
em olhares no infinito de outros tempos...
Na sequencia da corrente humana,
nas feições que se repetem,
nos perfis que se assemelham,
o sorriso de uma avó distante
reaparece na feição de alguma filha...
De repente,uma prima meio que esquecida
ressurge e faz lembrar sua presença
na foto ressequida.
Chapéus,lenços, fantasias e gravatas,
festas, reuniões,momentos de ilusão,
no olho mágico,se registra,no retrato
e em tudo permanece um pouco da paixão.
Aqui um jovem recebe seu diploma,
mais além, se registra um casamento,
de repente surge um batizado,
depois alguém carrega o neto amado...
E assim se passa a vida registrando a vida,
no álbum de retratos...

Guaraciaba Perides (2001)